quinta-feira, novembro 20, 2008

Máscara da realidade

Viver não se vale senão em partilha
Partilha não se cultiva senão em amor
Parte a única mulher...
Partiu-me, mas não meu coração:
guardo-a em cores e em todos os estímulos
É viva em todos os sentidos.

Quão bonita é a vida, que alegria!
Quão triste é o peito apaixonado!
Quão falsa é a arte, mas alenta...

Desmancha-se a desilusão, sob seu algoz:
os versos pintados em homenagem aos sonhos.
Pois os falsos versos são versos amantes.
Faz da ilusão uma realidade palpável:
estrofes de quem ama
e quer fazer-se nada senão amor.

7 comentários:

Igor Machado disse...

Mário Quintana:

O poema
essa estranha máscara
mais verdadeira que a própria face...

Pavitra disse...


ah, igor...

gostei muito de tudo, mas uma frase, em especial, me cativou:

"os versos pintados em homenagem aos sonhos."

adorei!

beijos!

Igor Machado disse...

quais versos não os prestam a homenagem??? Seria esse retrato que propus uma redundância?

Pavitra disse...


está ótimo! rs

ana paula disse...

meu deooos igor, nao faz isso comigo!
tocou laaa dentro... nem sei o q dizer! da pra entender?

Igor Machado disse...

não dá muito, na verdade, raquel!

ana paula disse...

po, sei la, queria expressar minha admiraçao mas naum sou muito boa com palavras...
;)